Pontalina

por Interlegis — última modificação 22/02/2020 20h44
Pontalina é um município brasileiro do estado de Goiás. Sua população estimada em 2019 é de 17.819 habitantes, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sua área total é de 1.437 km² e sua densidade demográfica é de 12,48 hab/km². Tem 15.026 eleitores e um PIB per capita de R$ 15.080,64. Nos últimos anos, Pontalina se tornou um importante Polo de Moda Íntima do Estado de Goiás. Milhares de pessoas passam por Pontalina anualmente para comprar os produtos de moda íntima da cidade para depois revendê-los em outras cidades goianas, em outros estados brasileiros, e até mesmo no exterior.

História:


As primeiras penetrações em território pontalinense perdem-se no tempo e no espaço, tendo por tradição, que seus povoadores vieram da capitania de Minas Gerais. As causas que deram origem ao povoado são em sua maioria de origem religiosa e econômicas, apoiada pelo espírito bandeirantista dos nossos patriarcas.

Esse primeiro povoamento deu-se numa ponta de terras, daí o nome pontal, cercadas por 3 pequenos córregos , erguendo se ali uma capela em homenagem a santa Rita, daí o nome Santa Rita do Pontal, na fazenda são Lourenço, de propriedade do Sr Justiniano José Machado,tempos se passaram e a manifestação religiosa desses primeiros habitante foi ganhando vulto em torno dessa capela, os anos correntes são 1826 a 1840, quando devido a uma graça recebida o Sr Justo José de Magalhães doa ao patrimônio da Igreja católica as terras em torno da capela de Santa Rita, que é datada de 3 de maio de 1841.

Iniciando se assim, a “grosso modo” nossa história, acredita se que essas primeiras populações imigradas, eram tradicionalmente agrícolas, fugindo do fim do ciclo do ouro mineiro penetrando no território brasileiro ate chegar na região. todo trabalho dessa gente decorreu a sombra desta capela, erguida pelo sentido místico dos mesmos, e que dominava uma área de mais de 200 alqueires doados a Santa Rita do Pontal. Edificada a capelinha mais a casa para o vigário daí para frente, mediante estabelecimentos de aforamentos pagos a igreja católica, foram erguendo novas casas e a povoação tomou vulto.

As principais correntes de povoamento foram nacionais, compondo-se de indivíduos de todas as profissões, com predomínio em volumes, a das classes rurais que exploram a agricultura e a pecuária. Nenhum elemento estrangeiro teve a menor parcela de contribuição para o povoamento do município. A não ser os bandos de ciganos errantes, um ou outro sírio ou italiano de curta presença, o solo pontalinense só sentiu o peso do pé nacional.

A resolução nº 543, de 29 de julho de 1875, criou a Vila de Santa Rita do Pontal, que não foi instalada. Já no Recenseamento Geral , em 1920, aparece Santa Rita do Pontal como distrito de Morrinhos. Daí por diante, começa a apresentar condições para a vida política e autonomia administrativa, lá pelo ano de 1935.

Segue-se então um movimento febril para a separação, incentivado principalmente pela política nacional inovadora de Getúlio Vargas e pelo então governador de Goiás Pedro Ludovico, o que se dá por força do Decreto-lei nº 329, de 2 de agosto de 1935, tendo como liderança entre a elite local o Sr Onofre Gonçalves de Andrade, pagando de seu próprio bolso as despesas com a implantação do município, este decreto elevou o distrito a categoria de Vila, desmenbrando-se de Morrinhos, e sendo solenemente instalada em 1 de janeiro de 1936, com o nome de Vila de Santa Rita do Pontal.

Em 31 de outubro de 1938, pelo Decreto-lei nº 1233, a em tão Vila de Santa Rita do Pontal foi elevada à categoria de cidade com a denominação de Pontalina. Até a promulgação de nossa constituição Estadual, em 1947, Pontalina era termo da comarca de Morrinhos, da qual se desmembrou por força do artigo 8º do Ato das Disposições transitórias.

Fica evidente que o nome pontal, donde deriva Pontalina, não vem da divisão do município pelos rios Meia ponte e Rio dos Bois , mais sim pela geografia da cidade, onde e circundada em 3 partes por córregos, pois quando nasceu o arraial, não havia intenção de criar um município e nem ideia que esse arraial, iría um dia, tornar se uma amada, mais toda via abandonada cidade. O senhor Ambrósio Pereira Guimarães foi uma pessoa muito importante para a formação de Pontalina, doando em 1958 à quantia de R$200.000,00 mil Cruzeiros para a formação do banco do Brasil.

Comunicação:


Pontalina conta com 4 meios de comunicação, são eles:TV Anhanguera (Itumbiara),TV Serra DouradaTV Brasil Central, e uma rádio local Radio Fênix que pode ser sintonizada na frequência 98,7 fm.

Economia:


Em Pontalina, a economia gira e torno da confecção de roupas intimas, para consumo local, estadual , nacional e em algumas confecções internacional, a confecção de moda intima gera cerca de mais de R$ 1.000.000, na economia da cidade, instituído pelo atual governador Marconi Perillo, Pontalina é considerada a cidade da moda com o maior número de confecções do estado de Goiás. Existem cerca de mais cem confecções em Pontalina, dentre elas confecções e pequenas facções, a primeira confecção da cidade foi a confecção Dueme's moda intima dos proprietários: Maria (atual primeira dama da cidade) e Milton Ricardo de Paiva (atual prefeito da cidade). Além também da agricultura que movimenta milhões no mercado de soja, em quase totalidade pela SOPRIL o maior armazém de grãos da região.

Confecções em destaque: Dornelas, Dueme's, Corpo Nu, Carrie,Suma e D’Arielle Lingerie- que é inclusive uma das pioneiras, fundada há 26anos( mais precisamente a segunda fábrica da cidade).

Em 2017, o salário médio mensal era de 1.8 salários mínimos. A proporção de pessoas ocupadas em relação à população total era de 16.4%. Na comparação com os outros municípios do estado, ocupava as posições 138 de 246 e 91 de 246, respectivamente. Já na comparação com cidades do país todo, ficava na posição 2999 de 5570 e 1890 de 5570, respectivamente. Considerando domicílios com rendimentos mensais de até meio salário mínimo por pessoa, tinha 32.6% da população nessas condições, o que o colocava na posição 181 de 246 dentre as cidades do estado e na posição 4142 de 5570 dentre as cidades do Brasil.

 

PIB per capita [2017]

27.794,97 R$  

Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]

88,5 %  

Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]

0,687  

Total de receitas realizadas [2017]

46.505,69 R$ (×1000)  

Total de despesas empenhadas [2017]

41.806,92 R$ (×1000)